Regência Inglesa

Era Regency 1811-1820

George IV, Príncipe Regente, por Sir Thomas Lawrence.

George IV, Príncipe Regente, por Sir Thomas Lawrence.

O período regencial no Reino Unido é o período entre 1811 – quando o rei George III foi considerado inapto para governar e seu filho, o Príncipe de Gales, governou como Príncipe Regente – a 1820, quando o Príncipe Regente se tornou George IV, com a morte de seu pai.

O termo do período regencial, por vezes, se refere a um período de tempo prolongado mais do que a década da regência formal. O período entre 1795 a 1837 (a última parte do reinado de George III e os reinados de seus filhos, George IV, como Príncipe Regente e Rei, e William IV) foi marcado por tendências distintas na arquitetura britânica, literatura, moda, política, e cultura. Se a “era Regency” está sendo usada para descrever a transição entre as eras Georgiana e Vitoriana, o foco está na “pré-vitoriana”: período de 1811, quando a Regência começou, até 1837, quando a rainha Vitória sucedeu William IV. Se, no entanto, a “era Regency” está sendo comparada com o século XVIII, o período inclui as guerras revolucionárias francesas e as guerras Napoleônicas.

A época foi uma época de excesso para a aristocracia: por exemplo, foi nessa época que o Príncipe Regente construiu o Pavilhão de Brighton. No entanto, foi também uma época de incerteza causada por vários fatores, incluindo as guerras napoleônicas, motins constantes e a preocupação (ameaça para alguns, esperança para os outros) que o povo britânico pudesse imitar os levantes da Revolução Francesa.

The Duchess of Devonshire by Thomas Gainsborough, 1787.

A Regency é conhecida pela sua elegância e realizações nas artes plásticas e arquitetura.  A guerra foi travada com Napoleão em outras frentes, afetando o comércio, tanto no plano interno e externo, bem como a política. Apesar do derramamento de sangue da guerra, a “era Regency” foi também um período de grande requinte e realizações culturais, moldando e alterando a estrutura social da Grã-Bretanha como um todo.

Um dos grandes patronos das artes e da arquitetura era o Príncipe Regente (o futuro George IV). A Alta sociedade floresceu em uma espécie de mini-renascença da cultura e refinamento. Chefiada pela amplamente popular Georgiana, Duquesa de Devonshire.

Como um dos grandes patronos das artes, o Príncipe Regente ordenou a construção e reforma do exótico Brighton Pavilion, o ornamentado Carlton House, assim como a arquitetura de muitas outras obras públicas (ver John Nash). Naturalmente, para isso foi necessário mergulhar no tesouro do Regente e, posteriormente, a exuberância do rei muitas vezes ultrapassou o seu bolso, às custas do povo.

Não só foi a sociedade marcada por gastos excessivos por parte do Príncipe Regente, foi também altamente estratificada e, em muitos aspectos, houve um lado negro da beleza e da moda na Inglaterra neste momento. No Dingler, zona menos afluente de Londres, havia roubos, mulheres, jogo, a existência de colônias, e beberrões, numa constante corrida desenfreada. Isso, combinado com o crescimento em massa da população, que saltou de pouco menos de um milhão em 1801 para um e um quarto de milhão em 1820,  criaram uma cena selvagem. Com efeito tão grande era a diferença entre os níveis da sociedade que eles desenvolveram completamente diferentes existências, como caracterizado por Robert Southey, que afirmou:

Os habitantes desta cidade grande parecem estar divididos em duas distintas castas: a Solar e Lunar…

A solar

Quadrille “life in london” George and Isaac Robert Cruikshank in their illustrations to Pierce Egan’s “Life in London”

Assim, sob o glamour e o brilho da sociedade “Regency” existiam níveis de miséria, como para formar um contraste extremo com o círculo social do Príncipe. A pobreza era uma questão importante e que foi abordada apenas marginalmente. De muitas maneiras, a aposentadoria de George III e a formação da “era Regency” viu a morte de uma piedosa sociedade reservada e o nascimento da mais fútil ostentação, em grande parte devido ao caráter do próprio Regente. Pode-se responsabilizar a natureza perdulária do Príncipe Regente ao fato de que a política da época mantinha o herdeiro totalmente fora das maquinações políticas e façanhas militares, que não fez nada para canalizar suas energias em um sentido mais positivo, deixando-o com a busca do prazer como sua única saída, bem como a sua única forma de rebelião contra o que viu como reprovação e censura no reinado de seu pai.

A lunar

George and Isaac Robert Cruikshank in their illustrations to Pierce Egan’s “Life in London”

Não era só dinheiro e a juventude rebelde do Regente que alimentaram essas mudanças, mas também significativos avanços tecnológicos. Em 1814, o The Times aprovou a impressão a vapor, aumentando assim a capacidade de produção, juntamente com a demanda dez vezes maior (impressão de 1100 folhas por hora, contra as anteriores, 200 por hora). Esse desenvolvimento levou à ascensão do popular Fashionable novels no qual os editores espalhavam histórias da ostentação dos ricos e nobres, insinuando a identidade específica desses indivíduos. A diferença na hierarquia da sociedade foi tão grande que os das classes superiores podiam ser vistos pelas classes inferiores como ficção fantástica e maravilhosa, algo totalmente fora do alcance deles.

Regent’s Fashion

Ackermann’s Repository of Arts, Literature, Commerce, Manufacturers, Fashion and Politics.

Akermann  Shop

Ackermann foi uma revista mensal popular na Inglaterra a partir de 1809  até 1829 (em 1829 a revista foi impressa como “Ackermann’s Repository of Fashion”),  que tinha uma grande variedade de temas atuais para entreter as massas da Regency Inglesa.
Havia comentários políticos, poesias, contos, eventos da época, informações, exposições, comércio e outros dados interessantes em suas páginas. Cada edição também continha ilustrações maravilhosas, em cores, mostrando moda, decoração da casa, locais públicos de interesse, arquitetura e uma variedade de itens que seriam de interesse para os seus leitores.
As Fashion Plates (placas fashion) eram publicadas usualmente duas por mês em cada edição. Durante 20 anos  essas publicações mensais foram feitas. Ackermann criou um volume especial encadernado para quem estava colecionando essas placas.

Regency Fashion de 1809 a 1828, arte por EKDucan

Literatura na era Regency

escritores regency

Fontes:
Wikipedia -Regency era
Wikipedia:Koenig steam press -1814
Fotos de Ackermann Repository of Arts: E.K.Duncan

 

┼Ψ╬† sσnia ┼Ψ╬┼

Gosto de tudo da Inglaterra: literatura, filmes, séries, sitcons, sotaque, educação, polidez, costumes, parques, praças, arquitetura… Tudo! Fui Influenciada pela literatura inglesa que eu li avidamente. Morar lá é o meu objetivo de vida.

  • Vinicius Rocha

    Caramba, gostei muito do blog. Parabéns!

    • Maria Sônia Oliveira

      Obrigada! 🙂