Os Ingleses, de Peter Burke e Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke

Img_5564

Os Ingleses, como o próprio título sugere, se apresenta como um livro que tratará dos cidadãos daquela ilha, os tais súditos da rainha. Mas não se engane. Eu mesma, desavisada, imaginando que seriam tratados apenas traços comuns de “inglesidade”, como a discrição e a pontualidade, fui pega de surpresa pela enxurrada de informações contidas nas 411 páginas do mais recente volume da coleção Povos & Civilizações da Editora Contexto. Recomendado firmemente para quem pretende viajar ou morar na Inglaterra; e para quem ama Literatura Inglesa; e para quem se interessa por História; e etc. etc. etc. Enfim. É um daqueles livros que podemos considerar essencial para todo tipo de leitor, ou melhor: para todos aqueles que se interessam pelo conhecimento.

A quantidade de temas abordados é enorme e muito variada. Você não consegue imaginar quantos aspectos formam a identidade de um povo e de uma nação até que eles começam a ser elencados. Em linhas gerais (muito, muito gerais), História e Geografia são as colunas mestras. Dentro delas vem política, economia, questões sociais, espaço natural, espaço geográfico, processo de formação, imigração, hábitos, religião, arquitetura, figuras públicas, Artes… É tanta coisa que fica complicado dar uma noção exata do que o livro trata. E o mais extraordinário é que o texto não é fragmentado: tudo tem nexo e conexão no contexto maior e tudo se inter-relaciona para que possamos entender quem são, afinal, os ingleses. Mais do que isso: quem (e não o que) é a Inglaterra.

Img_5570

Aprendi muito com esse livro. Sinto como se eu tivesse absorvido muito mais nessa leitura do que em vários semestres de faculdade. Os autores, Peter Burke e Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke, têm muita bagagem: ambos são historiadores de peso, atuantes em grandes universidades e autores já publicados. Além disso, ele é inglês e ela vive na Inglaterra por anos. Sentimos que eles dominam o tema, com um denso conhecimento próprio, mas também embasados numa pesquisa profunda. Todos os capítulos têm várias citações de personagens históricos importantes, vindas de livros (vide a lista de Sugestões de Leitura nas últimas páginas) ou de discursos. Mas apesar do que poderia acontecer – um texto pomposo, artificial, arrastado, acadêmico (no pior sentido) – a linguagem é simples, acolhedora e extremamente fluida. O tom é convidativo, aberto: não é condescendente, esperando no leitor um ignorante, mas também não é distante, imaginando-o um expert. Na falta de uma palavra que se encaixe completamente, fico com a classificação de didático, mesmo que não seja por aí que ele caminhe. Mas a sensação é essa – para mim, pelo menos. Organizando informações e validando ideias que eu já tinha, vindas de referências espalhadas; preenchendo lacunas e explicando muitas questões das quais eu só possuía uma vaga compreensão; fazendo uma distinção entre Inglaterra do passado (que está mais presente na minha mente por causa da Literatura Inglesa dos séculos XVIII e XIX) e a do presente: tudo isso e mais um pouco. Sem contar as lendas e causos que são como recheio de bolo. Acrescento também que eu incrementei meu vocabulário (understatement e fuss ficaram gravadas) e tive alguns bônus: um pouquinho de Brasil e dos outros países da Grã-Bretanha (Editora Contexto, um livro dos escoceses e um dos irlandeses, por favor!).

Img_5580

E, como não poderia deixar de ser – e que me sinto feliz por dizer isso numa resenha publicada no Escritoras Inglesas – há referência à Literatura, com Jane Austen tendo o parágrafo mais longo e sendo descrita como  “a mais inglesa dentre as maiores romancistas inglesas” e com uma frase emblemática e verdadeira:

A história do romance inglês é, num grau considerável, a história de autoras mulheres.”

Ah, e o livro é bem ilustrado e tem uma formatação de texto muito boa (na verdade, é um livro lindo!).

Indeed, foi uma surpresa deliciosa ter ganhado o sorteio. Mas foi uma surpresa estupenda mergulhar numa leitura que, agora, eu considero indispensável.

Img_5568

break

Somente alguns petiscos, bem pequenininhos – curiosidades que vale a pena compartilhar:

  • Somente 6, 8 % da área do Reino Unido é urbana e grande parte da área urbana é green space (sem qualquer tipo de pavimentação).
  • O chá da tarde é servido às 16 h (essa informação abalou meu mundo. Sério.)
  • Não existe carteira de identidade na Inglaterra.
  • Em 1960, a editora Penguin foi levada ao tribunal pela Coroa por ter publicado “O amante de Lady Chaterley”.
  • O costume brasileiro de se perfumar com água de alfazema é um hábito que veio com imigrantes ingleses no século XIX.
  • Keep calm and carry on foi um slogan criado na II Guerra Mundial para motivar o povo inglês. Milhares de pôsteres foram impressos, mas nunca utilizados.
  • 5 milhões de soldados britânicos lutaram na I Guerra. Mais de 40% deles foram mortos ou feridos. Somente metade dos mortos foram enterrados como conhecidos – a outra metade foi dada como desconhecida ou desaparecida (lembrei de Downton Abbey).
  • 2 milhões de casas foram destruídas e mais de 40 mil civis foram mortos nos ataques aéreos na II Guerra em menos de um ano na Inglaterra (lembrei de Desejo e Reparação).
  • 2 mil country houses foram demolidas depois da 2ª Guerra.
  • De 1870 até a I Guerra, 350 filhas de milionários americanos se casaram com nobres ingleses falidos. Eram as dollar princesses. Lembram da Cora, de Downton Abbey ? Pois então.

E aqui, a que eu considero a joia da coroa:

  • Em 1940, um piloto alemão foi abatido em solo inglês. Logo apareceram duas senhoras e ele perguntou: “Vocês vão atirar em mim agora?”. Ao que elas responderam: “Não, nós não fazemos isso na Inglaterra. Gostaria de uma xícara de chá?”

divider79

Rebeca Lima Teixeira

Soteropolitana. Bacharel em Língua Inglesa. Cristã. Caseira e reservada, amo dias de chuva e de vento, solidão e silêncio, plantas e passarinhos, panetone e chocotone. Apaixonada por História e Literatura, especialmente a Inglesa - meus livros favoritos falam por mim. http://www.skoob.com.br/usuario/621503-rebeca Contato: rebecaausten@gmail.com

  • Leituras Plus

    Já agendei no meu celular para ser a próxima compra literária. Eu já estava querendo, amo, sou doente, piscopata com tudo que envolve a Inglaterra (não é atoa que sigo fielmente o blog) depois dessa resenha, não pude ter outra opção, que não seja investir nessa obra. Meu Deus que livro PERFEITO…. enlouquecida….querendo muito….beijos. Paty leiturasplus.blogspot.com

    • É um livro indispensável. Eu pretendo comprar os outros da coleção.
      Beijos!

  • Leituras Plus

    Já agendei no meu celular para ser a próxima compra literária. Eu já estava querendo, amo, sou doente, piscopata com tudo que envolve a Inglaterra (não é atoa que sigo fielmente o blog) depois dessa resenha, não pude ter outra opção, que não seja investir nessa obra. Meu Deus que livro PERFEITO…. enlouquecida….querendo muito….beijos. Paty leiturasplus.blogspot.com

  • Enza Said

    Amei a resenha, Rebeca! A leitura deste livro deve trazer um mar de descobertas e redescobertas muito agradável. Espero lê-lo em breve. Abraços!

    • Obrigada, Enza! Olha nós duas no mesmo barco agora, hehehe.
      De fato, me surpreendi com a quantidade de coisas que eu já sabia – mas mais ainda, com as que eu não sabia!
      Abraços!

  • Luciana Campelo

    Resenha maravilhosa! Já estava de olho neste livro, agora é que a vontade multiplicou. 🙂