Marie Corelli

A fotografia de Marie Corelli no frontispício de "Temporal Power ', publicado em 1906.

A fotografia de Marie Corelli no frontispício de “Temporal Power ‘, publicado em 1906.

Marie Corelli (nome verdadeiro “Mary Mackay”) nasceu provavelmente em algum lugar em Londres em maio de 1855. Suas origens não são conhecidas ao certo, mas ela foi provavelmente filha ilegítima do Dr. Charles Mackay e sua amante, a Sra. Mary Elizabeth Mills, com quem o Dr. Mackay  se casou depois que sua primeira esposa morreu. Após seu primeiro livro, A Romance of two Worlds, publicado em 1886, ela tornou-se o mais vendido autor da Inglaterra e favorita da Rainha Vitoria, que ordenou uma coleção de livros, todos de Marie. Apesar dos ataques ferozes dos críticos, seus livros, muitas vezes bateram recordes de vendas. Ela foi o único autor convidado para a coroação de Eduardo VII (substituto e filho da Rainha Vitória). Contavam entre seus amigos: Mark Twain, Ouida, o imperador Frederico da Alemanha, e mutos outros escritores e membros da realeza. Tennyson escreveu-lhe elogios por seu trabalho Ardath (1889), um livro que não vendeu relativamente bem, mas Marie sempre tinha considerado o seu melhor.

Após Marie mudar-se para Stratford-upon-Avon em 1899, ela fez uma cruzada para preservar o Santuário de Shakespeare, na Igreja da Santíssima Trindade. Ela também ajudou a estabelecer a casa para a visita dos alunos da universidade de Havard.  Ela publicou um panfleto para encorajar os britânicos a visitar Stratford-on-Avon.

Os livros de Marie Corelli são imaginativos, filosóficos e místicos. Ela se encarregou de curar o mundo de todos os males sociais. Entre seus melhores trabalhos estão: Thelma (1887), Wormwood (1890), Barabbas, A Dream of the Word’s Tragedy (1893), The Sorrows of Satan (1895), The Master-Christian (1900),Temporal Power: a Study in Supremacy (1902), Life Everlasting (1911) e The Secret Power (1921). Após a Primeira Guerra Mundial, seus livros foram considerados fora de moda e as vendas diminuíram. Ela morreu em 1924.

No seu tempo ela foi a autora mais lida, no entanto, foi duramente criticada por um pequeno grupo de elite, por ela ter um estilo emocional e melodramático. No entanto suas obras foram colecionadas pela British Royal Family e por Winston Churchill, entre outros. Os críticos profissionais lamentaram seus livros, seu ego difícil  e as enormes vendas inspiraram momentos de rancor.

memoir_pony

Corelli passou seus últimos anos em Stratford-upon-Avon. Lá, ela lutou arduamente para a preservação de edifícios do século 17, e doou dinheiro aos proprietários das casas para restaurarem as fachadas originais dos prédios. Seu compromisso com o patrimônio local foi também apoiado pela romancista Barbara Comyns Carr, que menciona a aparição de Corelli em uma exposição de itens anglo saxão encontrados em Bidford-on-Avon em 1923.

Sua excentricidade se tornou lendária, no entanto, ela causou muito divertimento passeando de gôndola, com um gondoleiro, que tinha trazido de Veneza.

memoir_gondola

Em sua autobiografia, Mark Twain descreve uma visita que fez a Corelli em Stratford e como ele aumentou sua aversão preexistente à sua personalidade.

Ela morreu em Stratford e foi enterrada no cemitério Road Evesham. Sua casa, Mason Croft, está ainda na rua da igreja e agora é o lar do Instituto Shakespeare.

masoncroft_b_

Um tema recorrente em todos os livros de Corelli é a tentativa de conciliar o cristianismo com a reencarnação, projeção astral e outros assuntos místicos.

Bertha Vyver

Bertha Vyver

Os jornalistas, biógrafos e historiadores literários têm especulado sobre a natureza exata de seu relacionamento com Bertha Vyver. Por mais de quarenta anos, Corelli viveu com Vyver e deixou tudo para a amiga quando ela morreu. Apesar de Corelli não se identificar como lésbica, biógrafos e críticos têm notado as descrições eróticas de beleza feminina que aparecem regularmente nos romances de Corelli. Além disso, as descrições de amor profundo entre as duas mulheres por seus contemporâneos contribuíram para a especulação de que sua relação pode ter sido romântica. Por exemplo, após a morte de Corelli, Sidney Walton relembrou no Yorkshire Evening News:

Uma das grandes amizades dos tempos modernos unidos os corações e mentes de Miss Marie Corelli e Miss Bertha Vyver. […] Seu coração era o coração de seu companheiro […] Na solidão da alma, Miss Vyver lamenta a perda de alguém que estava mais próximo a ela do que uma irmã. […] Sobre a lareira, no velho e amplo salão na Mason Croft, as iniciais MC e BV foram esculpidas em um símbolo. E foi o símbolo da vida.

No entanto, esse comportamento também é consistente com a amizade romântica, na qual a ênfase está na proximidade emocional ao invés de consumação física.

Corelli também manifestou uma paixão pelo artista Arthur Severn, a quem ela escrevia cartas diariamente por mais de dez anos 1906-1917. Severn, era o filho de Joseph Severn e amigo próximo de John Ruskin. Em 1910, os dois colaboraram em Devil’s Motor, com Severn ilustrando a história de Corelli. Seu amor pelo pintor casado há muito tempo – seu apego romântico a apenas um homem – nao foi correspondido.

“Nunca me casei porque não foi necessário. Tenho três animais em casa que cumprem a função de marido. O cachorro grunhe de manhã, o papagaio pragueja à tarde e o gato chega de madrugada”.

I never married because there was no need. I have three pets at home which answer the same purpose as a husband. I have a dog which growls every morning, a parrot which swears all afternoon and a cat that comes home late at night

Marie Corelli citada em “The Modern woodman‎” – vol. 45, núm. 8, Página 32, de Modern Woodmen of America – Publicado por Modern Woodmen of America., 1928

Idol of Suburbia

Annette R. Frederico

idol of suburbia

Marie Corelli (1855-1924) foi a romancista mais popular da virada do século, superando muito Hall Caine, Sra. Humphry Ward, HG Wells e Arthur Conan Doyle. Por 30 anos ela foi ridicularizada pelos críticos e literários da elite – Edmund Gosse indeferiu-a como “a pequena chapeleira” –, mas essas opiniões não tiveram impacto sobre o seu apelo de massa. Em 1895, com Os Sofrimentos de Satanás, ela quebrou todos os recordes anteriores de publicação, e em 1906 um romance Corelli vendeu 100.000 cópias por ano. (Annette R. Federico)

Idol of Suburbia coloca Marie Corelli de volta às conversas sobre a literatura vitoriana e eduardiana. Como Annette R. Federico aponta, a participação de Corelli  na vida cultural de seu tempo: era muito criativa, combativa e contraditória. Sua guerra permanente com os críticos literários intelectuais e como ela gerenciava sua própria imagem iluminou continuamente os debates sobre os valores literários e a política de fim de século.

www.upress.virginia.edu/books/federico.html

Vitorian Women Writers

Cambridge Studies in-Século XIX Literatura e Cultura)Esta coleção de ensaios focaliza a atenção sobre um certo número de mulheres escritoras vitorianas, populares no seu tempo, mas esquecidas ou negligenciadas pela história literária: Margaret Oliphant, Charlotte Yonge, Mary Ward, Marie Corelli, Ouida e E. Nesbit.

Marie Corelli jantava com o Príncipe de Gales, entretia Sarah Bernhardt e Ellen Terry, e dividia Stratford-upon-Avon em facções. Na década de 1890, seus romances eram avidamente devorados por milhões de pessoas na Inglaterra, Estados Unidos e as colônias. Seus leitores variaram da corte da Rainha Vitória aos mais pobres. Ao todo ela escreveu trinta livros, a maioria dos quais foram best-sellers fenomenais, e lidava com os temas populares da época – o espiritismo, ciência, romance transcendental e religião. Esta biografia descreve Corelli, considerando-a  como um fenômeno da era vitoriana. O livro examina a forma como ela saiu  do nada para se tornar o escritor mais vendido de sua idade.

www.amazon.co.uk

Obras

A Romance of Two Worlds (1886), ler aqui.
Vendetta!; or, The Story of One Forgotten (1886), ler aqui.
Thelma (1887), ler aqui.
Ardath (1889), ler aqui.
Wormwood: A Drama of Paris (1890), ler aqui.
The Soul of Lilith (1892), ler aqui.
Barabbas, A Dream of the Word’s Tragedy (1893), ler aqui.
The Sorrows of Satan (1895), ler aqui
The Mighty Atom (1896)
The Murder of Delicia (1896)
Ziska (1897)
Boy (1900)
Jane (1900)
The Master-Christian (1900), ler aqui.
Temporal Power: a Study in Supremacy (1902), ler aqui.
God’s Good Man (1904)
The Strange Visitation of Josiah McNasson: A Ghost Story (1904)
Treasure of Heaven (1906)
Holy Orders, The Tragedy of a Quiet Life (1908)
Life Everlasting (1911), ler aqui.
Innocent, Her Fancy and His Fact (1914)
The Young Diana (1918)
The Secret Power (1921)
Love and the Philosopher (1923)

Coleçao de contos

Cameos: Short Stories (1895)
The Song of Miriam & Other Stories (1898)
Delicia & Other Stories (1907)
The Love of Long Ago, and Other Stories (1918)

Contos

Byron Loquitur (1892)
Three Wise Men of Gotham (1895)
The Distant Voice (1895)
Nehemiah P. Hoskins, Artist (1895)
An Old Bundle (1895)
Mademoiselle Zephyr (1895)
Tiny Tramps (1895)
The Distant Voice: A Fact or Fancy (1895)
The Withering of a Rose (1895)
The Lady with the Carnations (1895)
Angel’s Wickedness (1895)
My Wonderful Wife (1895)
The Devil’s Motor: A Fantasy (1901, 1910)
The Despised Angel: An Allegory (1907)
The Soul of the Newly Born
God’s Light on the Mountains

Não ficção

The Modern Marriage Market (1898) (with others)
Free Opinions Freely Expressed (1905)
The Silver Domino; or, Side Whispers, Social & Literary (1892) (anonymous)

Adaptações para teatro

Vendetta (1915)
Thelma (1916) Fox Film 1918, I.B. Davidson 1922 Chester Bennett
Wormwood (1915) Fox
Temporal Power (1916) G.B. Samuelson
God’s Good Man (1919) Stoll Films
Holy Orders (1917) I.B. Davidson
Innocent (1921) Stoll Films
The Young Diana (1922) Paramount Pictures
The Sorrows of Satan (1926) Paramount

Livros em português

Pesquisei traduções para o português e encontrei  Vida Sempterna, Réquiem para Satã (Prefácio de Henry Miller) e Barrabás.

VIDA_SEMPITERNA_1402345578PSinopse do Skoob de Vida Sempterna:

VOCÊ QUER PENSAR COMIGO? POR EXEMPLO, PENSAR A VIDA? QUE É A VIDA? E A MORTE?QUE ELA É? QUAL É O PRINCIPAL OBJETIVO DE VIVER? QUAL É O PROBLEMA RESOLVIDO PELA MORTE?
TALVEZ HAJA PELO MENOS UM ENTRE OS LEITORES DESTE LIVRO QUE ESTARÁ INTERESSADO NO PSÍQUICO-SIGNIFICANDO O LADO IMORTAL E, PORTANTO, REAL DA VIDA, PARA DAR UM POUCO DE ATENÇÃO CONCENTRADA A ESTA OBRA.

 

vector.Fontes:

http://mariecorelli.org.uk/
www.wikipedia.org/wiki/Marie_Corelli
www.skoob.com.br

 

 

┼Ψ╬† sσnia ┼Ψ╬┼

Gosto de tudo da Inglaterra: literatura, filmes, séries, sitcons, sotaque, educação, polidez, costumes, parques, praças, arquitetura… Tudo! Fui Influenciada pela literatura inglesa que eu li avidamente. Morar lá é o meu objetivo de vida.