Gazeta de Longbourn Apresenta: As Memórias Perdidas de Jane Austen

1381461_392666844196148_1831593577_n

 

Concluí que era melhor ser considerada solteirona sem história de amor do que uma figura trágica, insensata. Que ousara amar alguém acima de sua posição, e perdera.

Meu muito querido tio Fafa me deu esse livro de presente pouco depois da publicação. Demorei um pouco para ler, considerando meu atual cronograma de leituras austenianas para essa coluna, mas finalmente estamos aqui.

As Memórias Perdidas de Jane Austen começa revelando que alguns papéis foram encontrados durante uma renovação em Chawton, a casa em que Jane Austen viveu por último antes de morrer – papéis esses que seriam uma espécie de diário da autora (o que me lembrou um pouco a série que a transforma em detetive, escrita por Stephanie Barron).

Esse diário conta a história do grande romance que Austen teria vivido pouco antes de se mudar definitivamente para Chawton. A premissa parte de afirmações feitas em cartas de familiares da autora, de que Austen teria se apaixonado por um cavalheiro à época, um clérigo, mas que ele teria morrido antes que qualquer coisa pudesse acontecer.

Só que esse comentário (e importante observar que isso não é uma invenção da ficção do presente romance, mas algo real) esconderia uma outra relação, intensa e passional com Mr. Frederick Ashford, herdeiro e filho de um baronete, que ela teria conhecido num passeio a Lyme, numa situação muito parecida com aquela de Persuasão.

Aliás, para o leitor habitual de Austen, o livro é um prato cheio de referências às obras da autora – sua corte com Ashford e as diversas situações retratadas no livro servem de inspiração especialmente para Razão e Sensibilidade e Orgulho e Preconceito, que estavam sendo revisados e às vezes quase completamente reescritos à época.

Sendo bastante sincera, a despeito das situações que se refletem das obras originais pra cá, não acho que As Memórias Perdidas de Jane Austen tenha o mesmo estilo, a mesma genialidade de escrita de Austen. E nem é esse seu propósito. Mas se não existe a sutileza irônica original, há um romance bem desenvolvido e açucarado.

Eu tive um certo problema em acreditar em Mr. Ashford, porque ele me parece perfeito demais, talhado sob medida para Jane, mas dentro da proposta do livro, ele funciona – ele está ali, afinal, para ser o ideal romântico por trás dos grandes heróis criados por Austen. De uma forma geral, As Memórias Perdidas de Jane Austen é um bom divertimento ‘sessão da tarde’, que rende suspiros e sorrisos e, ao final, nos deixa um tantinho melancólicos.

 

divider

 

Resenha do blog: Coruja em Teto de Zinco Quente
Imagem slider: Carmem Moreno Photografia

Luciana Darce

Sou uma bibliófila desde que me entendo por gente e leio praticamente de tudo um pouco. Administro o Coruja em Teto de Zinco Quente e sou mediadora de um clube do livro voltado ao debate de clássicos. E nas horas vagas, sou advogada. Você pode me encontrar escrevendo para luciana.darce@gmail.com