Evelina (Frances Burney)

Img_5525

Existe um pouco de melancolia em mim ao escrever um relato de nossas últimas aventuras em Londres. Contudo, como este dia é meramente apropriado a fazer malas e preparativos para nossa jornada, e como deverei em pouco tempo não ter mais aventuras para escrever, acho melhor completar meu diário da cidade de uma vez: e, quando o senhor tiver tudo junto, espero, meu caro Senhor, o senhor me enviará suas observações e pensamentos sobre ele a Howard Grove.

Já tinha ouvido falar de Frances Burney antes – não por acaso, em conjuntura com o nome da Austen: ela é citada nominalmente como uma das autoras lidas por Catherine em A Abadia de Northanger. Assim é que, quando foi anunciado o lançamento de Evelina em português, eu imediatamente providenciei para colocá-lo na minha lista de leituras.

Evelina, a protagonista, é uma jovem de beleza estonteante (considerando o fato de que mais da metade dos personagens masculinos da história aparentemente se apaixona por ela antes mesmo que ela possa pensar em abrir a boca), com uma situação familiar um tanto precária, que, acompanhando amigos numa temporada em Londres, vê-se em uma série de situações constrangedoras e até mesmo estapafúrdias.

Image3

O romance é epistolar, com as cartas-diário de Evelina fazendo as vezes de narrativa em primeira pessoa. Considerando que em vários pontos a narrativa transcreve diálogos inteiros com um número de detalhes impressionante, o recurso das cartas por vezes me pareceu um pouco artificial – eu estou acostumada a escrever e receber cartas (sim, cartas, não e-mails), e quando vou narrar um ‘causo’ numa missiva, normalmente não desço às mínimas minúcias do que foi dito por cada conviva em cada situação, mas me concentro na essência do caso em questão.

Claro que não posso julgar a forma pela qual Evelina escreve suas cartas com as minhas… mas posso fazer a comparação com outro romance epistolar – no caso, Lady Susan, da própria Austen – e devo dizer que o estilo de tia Jane é muito mais crível como cartas trocadas entre vários personagens.

Evelina é ingênua, espontânea e sem artifícios: isso faz parte de seus encantos, mas também é a razão pela qual ela termina em tantas situações embaraçosas – ganhando com isso o desprezo ressentido de Mr. Lovel, a perseguição incessante de Sir Clement Willoughby (e, cá entre nós, vejo muitas semelhanças entre ele e o Willoughby de Razão e Sensibilidade) e a admiração sincera de Lorde Orville.

Img_5527

Para além disso, considerando que Evelina não dá um passo em Londres sem tropeçar em alguém conhecido ou importante para sua história – como quando a família que a está abrigando dá carona em sua carruagem para a hilariante Madame Duval, a avó de quem a jovem anda se escondendo – a impressão que se tem é que a sociedade por onde os personagens circulam é absolutamente minúscula.

Para o leitor de Austen, é possível encontrar muitos ecos ao longo das páginas do romance de Burney. Evelina lembra a ingenuidade de Catherine Morland, mas tem a perfeição da Emma de Os Watsons, com uma situação financeira e familiar até um pouco parecida. Desse mesmo romance, o nome de Lorde Osborne também não parece longe do de Lorde Orville. O escândalo representado por Madame Duval e seus planos para a neta fazem pensar na já citada Lady Susan. De Willoughby já falamos e o Capitão Mirvain me fez pensar numa junção mais desagradável do jovial Sir Middleton com o eternamente taciturno e resmungão Mr. Palmer, todos de Razão e Sensibilidade.

Com tudo isso, devo dizer que se você vai ler Evelina crendo que está lendo mais Austen, você talvez vá se decepcionar. Burney é divertida e entrega um bom romance, mas ela não se aprofunda em temas sociais ou sobre a situação feminina – ela está longe do realismo sutil que Austen imprime as suas obras.

Img_5560

Evelina tem bom senso, mas praticamente não dá um passo sem a permissão expressa de seu tutor. As figuras masculinas em sua vida, incluindo seu par romântico, estão sempre orientando suas ações, doutrinando-a. Ela começa e termina a história sem crescimento pessoal porque desde o começo épraticamente perfeita. Ela é fruto de sua época, uma das precursoras do chamado romance sentimental. Burney abriu caminho para Austen, mas as duas estão em patamares muito diferentes.

Não quero dizer com isso que Evelina não tenha seu charme. Eu me diverti muito com as mil e uma trapalhadas em que nossa protagonista se metia fosse por culpa de sua (dolorosa) ingenuidade, fosse por sua capacidade de atrair a atenção masculina em todo lugar que chegava. O romance é uma matéria-prima de primeira para uma novela de época para o horário das seis – há dândis sedutores, identidades roubadas, irmãos perdidos, fortunas herdadas, bailes, um capitão bonachão para servir de alívio cômico, uma heroína sem posses e um herói par do reino. Eu certamente assistiria.

divider79

Nota: 4
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Evelina
Autor: Frances Burney
Tradução: Gabriela Alcoforado
Ilustrações: Hugh Thomson
Editora: Pedrazul
Ano: 2014
Número de páginas: 387

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Editora Pedra Azul || Saraiva

Luciana Darce

Sou uma bibliófila desde que me entendo por gente e leio praticamente de tudo um pouco. Administro o Coruja em Teto de Zinco Quente e sou mediadora de um clube do livro voltado ao debate de clássicos. E nas horas vagas, sou advogada. Você pode me encontrar escrevendo para luciana.darce@gmail.com

  • Leila Maciel

    Eu estou lendo Evelina e realmente consigo ver algumas coisas que vi em Austen, por exemplo, a Catherine Morland e o Willoughby que me lembrou Mr, Collins e Mr. Elton por serem tão pomposos e insistentes beirando a chatice. Não terminei o livro mas até o momento não passou a vontade de dar umas sacudidas em Evelina e dizer “minha filha, diga alguma coisa para Willoughby parar de importunar você! Logo no início eu tive que ler uma ou outra coisa duas vezes, mas agora a leitura está fluindo.
    Abraços