Depois de Você, de Jojo Moyes

MBY203_052.tif

“Não pense muito em mim… Apenas viva bem. Apenas viva.” 

Terminada a leitura de Como eu era antes de você, muitos fãs se dividiram entre saber ou não sobre o destino de Lou após os acontecimentos com o Will. Particularmente, considerei a história como acabada. Que graça teria sem o Will? Entretanto, se na vida real sempre existe um depois, por que não também na literatura?

Jojo Moyes falou, em entrevista ao blog da editora Intrínseca, sobre o livro Depois de você: 

“Desde o dia em que Como eu era antes de você foi publicado as pessoas me mandam e-mails e mensagens nas redes sociais para falar sobre os personagens, especialmente sobre Lou, me perguntando o que ela fez após o fim da história. Essas questões e o trabalho no roteiro do filme fizeram com que ela nunca saísse da minha cabeça como outros personagens saem, e me vi fazendo a mesma pergunta: o que ela teria feito em seguida? Louisa passou por algo grandioso, e deixei o final em aberto. Um dia acordei com uma ideia e então soube que tinha que escrever a continuação” 

Influenciada por uma amiga, embarquei nesta leitura e tive uma grata surpresa: Depois de você é uma ótima história, capaz de emocionar sendo bastante realista.

Não espere uma Louisa Clark tranquila e com a vida bem encaminhada, seguindo em frente, apenas com boas lembranças dos momentos vividos com o Will. Ela está longe de ter superado tudo o que aconteceu. Mora em um apartamento quase sem mobília, em Londres, trabalha em uma lanchonete de aeroporto e nada mais. Sua vida é uma sucessão de dias tristes e vazios. Contudo, dois acontecimentos prometem movimentar um pouco as coisas.

A jovem sofre um pequeno acidente, e é socorrida por Sam, um paramédico que será fundamental em sua recuperação, tanto física quando emocionalmente. Ele é um personagem encantador e, por estar diariamente lidando com a morte, é capaz de entender a confusão que está a vida de Lou.

“Nunca se sabe o que vai acontecer quando se cai de uma grande altura.” (p. 186) 

O leitor, desde o começo, já percebe que haverá entre os dois um envolvimento romântico. Contudo, não vai ser nada fácil para Sam trazer Lou de volta à vida. O trauma de perder alguém ainda estava muito recente e outra pessoa do passado de Will aparece para movimentar ainda mais as coisas, a jovem Lily.

“Amei um homem que me mostrara o mundo, mas que não me amara o suficiente para permanecer nele. E no momento eu estava morrendo de medo de amar alguém que retribuía meu amor, caso… caso o quê?” (p. 265)

Confesso que todo o contexto da história da Lily só me agradou ao final da leitura. Ela e Lou   amadureceram juntas, mas a relação das duas, na maior parte do livro, ficou forçada e cansativa. Levando em consideração que Lou ainda estava emocionalmente abalada, até dá para compreender toda a dedicação e paciência que ela teve para salvar Lily de suas próprias confusões. Entretanto, talvez a história tivesse fluido melhor se menos páginas tivessem sido dedicadas a ela.

Um conjunto de personagens que rendeu boas histórias, com uma leve pitada de humor negro, é o grupo de terapia de luto que Lou passa a fazer parte após o acidente. Seus pais, pensando que ela  havia tentado se matar, fazem-na participar de algumas sessões, que ajudaria superar definitivamente esse capítulo tão dramático de sua vida chamado Will. O interessante deste livro é mostrar que o luto não é uma coisa que se supera em tempo determinado. Cada pessoa encara de um jeito e o supera no seu tempo. 

“As pessoas se cansam do luto – comentou Natasha. – É como se tacitamente nos dessem um tempo, seis meses, talvez, e depois ficassem um pouco irritadas por você não ter ‘melhorado’. É como se estivéssemos sendo autoindulgentes ao nos prender à nossa infelicidade.” (p. 297) 

A família de Lou continua tão maluca quanto antes, com o adendo que neste segundo livro a mãe da jovem torna-se feminista e quebra, por assim dizer, o equilíbrio familiar. Os pais de Will seguiram como indicava o final de Como eu era antes de você: separados e cada qual com a sua nova realidade.

Depois de você é uma boa leitura; Jojo Moyes não deixa nada do livro anterior sem explicação. Mesmo vivendo um drama, acompanhamos Lou em sua nova tentativa de ser feliz e, de certa forma, tudo caminha para um final feliz. Contudo, aqui também não temos um final fechado, mas um felizes da maneira que a vida permite ser possível.

“Antes que eu pudesse pensar, me debrucei sobre a mesinha, estiquei o braço para alcançar sua nuca e o beijei. Ele hesitou apenas por um instante, depois se inclinou para frente e retribuiu o beijo. A certa altura, acho que alguém derrubou uma taça de vinho, mas eu não conseguia parar. Queria beijá-lo para sempre. Bloqueei todos os pensamentos sobre o que estava acontecendo, o que significava, em que outra confusão eu poderia me meter. Vamos, viva, falei para mim mesma. E o beijei até deixar a parte racional de lado e me tornar um impulso, viva apenas para fazer o que eu queria com ele.” (p. 140)

Como eu era antes de você é uma leitura mais marcante, mas Depois de você é uma ótima continuação. Atinge aos objetivos que se propõe e vale a pena a leitura.

admin-ajax

Título: Depois de Você
Autora: Jojo Moyes
Tradução: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca

Fonte: intrinseca.com.br
I
magem: adorocinema.com

Tamires de Carvalho

Estudante de Letras (Português/Literaturas), sempre foi apaixonada pelo universo dos livros. Descobriu na Literatura Inglesa uma grande fonte de prazer e inspiração. Também acha estranho falar de si mesma na terceira pessoa. Contato: ts.carvalhosantos@gmail.com

  • Rebeca Rodrigues

    Excelente texto!! O segundo livro não tem todo o esplendor do primeiro, mas vale muito a pena. É sensível e real, te deixa emocionada.

    • Tamires

      Obrigada, Rebeca. Pois é, vale sim. Principalmente para quem gostou muito do primeiro. Bjs ?

  • Maria Sônia Oliveira

    Eu esperava uma continuação redentora para Lou (tão bondosa, humana, incapaz de ferir!). Pensei que ela fosse morar em Paris e ir sempre ao “melhor lugar do mundo” para o Will. Fosse cursar moda e ter a vida transformada.
    Ser garçonete do aeroporto e voltar a vida de quem não tem horizontes é voltar atrás com o crescimento da Lou. Gostaria de ler, mas desisti, e acho que não deveria ter filme.
    Me identifiquei com a personagem por causa da prisão em que ela vivia para ajudar a família. Quando Will a libertou com uma quantia de dinheiro para ela viver, ela volta a vida desprovida de sentido. Não é fácil receber de alguém dinheiro suficiente para ser livre da escravidão do trabalho e família (sim, você pode ser escravo da sua família).

    • Tamires

      No início também pensei que seria assim, mas para algumas pessoas é difícil continuar. Acho que foi uma forma que a autora encontrou para dar mais veracidade à história. Ou mesmo para ter história para contar, conflitos etc.

  • Boa resenha, Tamires! Ainda não tinha achado uma sobre esse livro que fosse o que eu procurava.

    Eu ainda quero ler “Depois de você” (na verdade preciso é reler “Como eu era antes de você”, porque já faz muito tempo e esqueci muita coisa), mas confesso que achei meio estranha uma continuação – principalmente uma continuação em que ela volta para a estaca zero. Só que eu gosto muito do estilo da Jojo Moyes e acho que deve valer a pena…

    Mas muito (muito mesmo) melhor que a duologia de “Me before & After you” é o “Um mais um”. Adoro esse! É um dos meus favoritos (e Jess e Ed formam um casal muito mais apaixonante do que Lou e Will). É uma história tão bem construída, tão bem sincronizada – o amadurecimento dos personagens e da família – que tudo se encaixa bem no final. Recomendo.

    Abraços!

    • Tamires

      Obrigada, Rebeca! Vale a pena sim, apesar das ressalvas que faço acima. Jojo Moyes é maravilhosa, quero ler os outros livros dela. Vou partir para o “Um mais um”, já que você elogiou. Bjs ?