Amor e Amizade |Filme

A tão aguardada adaptação de Jane Austen feita por Whit Stillman está aqui.

whit-stillman-love-friendship

By Bernard Walsh.

O diretor cult fala sobre a contemporaneidade flexionada de Jane Austen incutida em Amor & Amizade, sua adaptação à pouco conhecida comédia de época, apresentando-a no Festival de Sundance neste final de semana.

POR 

Com Amor & Amizade, Whit Stillman, o diretor de Metropolitan, The Last Days of Disco e outros contos contemporâneos (ou quase contemporâneos) da chamada alta burguesia urbana da América, volta duzentos anos atrás, cruza o Atlântico e compromete-se com uma formidável colaboradora: Jane Austen. O filme é baseado em uma publicação póstuma e uma obra pouco lida de Austen chamada Lady Susan, cuja heroína, interpretada por Kate Beckinsale, é uma ardilosa, inteligente, irresistível e inteiramente livre de escrúpulos da era georgiana. (Em uma pequena reunião de Last Days of Disco, Chloë Sevigny interpreta a amiga intima americana e conivente de Lady Susan, Alicia Jonhson). Na véspera de 23 de janeiro, estreia do filme no Festival de Sundance, Stillman conversou com Vanity Fair sobre sua eterna paixão por todas as coisas de Austen e quanto a Amor & Amizade, preparado para estrear na primavera de 2016, se encontra nesta comédia leve carruagens e espartilhos.

whit-stillman-interview

Jemal Countess/Getty Images.

Vanity Fair: Em Metropolitan, há uma troca de diálogos entre Audrey e Tom em que ela diz: “Qual novela da Jane Austen você já leu?” e ele responde: “Nenhuma”. Eu suponho que você seja a Audrey nisso.

Whit Stillman: Bem, eu sou uma espécie de ambos, porque eu tenho o hábito de não ler as coisas e de não falar sobre as coisas que não leio. Na verdade, eu fui desprevenido com Jane Austen. Na faculdade, eu cometi o erro de ler sua obra muito cedo, com o livro errado. Então eu comecei, no segundo ano, com Abadia de Northanger. E eu não gostei nada disso. Eu não me prendi. E eu falei, por um longo tempo, bem alto que ela era sobrestimada e ruim. Até que, depois da faculdade, minha irmã disse: “É melhor você ler Orgulho e Preconceito”. Eu li e isso mudou tudo!

VF: Você tornou-se um devoto de Austen?

Whit Stillman: Absolutamente. Quero dizer, eu li toneladas de Jane Austen. Eu li muitas biografias e livros posteriores. Eu acho fascinante. A primeira coisa que me apaixonei pela literatura britânica do século 18 foi Dr Johnson e Alexandre Pope. E ela é muito Jonhsoniana. E se você quer um tipo de Samuel Johnson na ficção, é Jane Austen.

Vanity Fair: Estamos nos recuperando de maiores ingleses no coração, não estamos?

Whit Stillman: Eu era, realmente, o maior matador de aula da história do departamento de inglês.

Vanity Fair: Você diria que, em sua carreira, você foi inspirado tanto pelos grandes romancistas quanto pelos grandes cineastas?

WS: Bem, sim! Há três escritores de ficção que eram realmente importantes para os filmes: Fitzgerald, Austen e Salinger. E eu acho que foi uma espécie de presente que Salinger não deixava seus livros serem adaptados, porque nós meio que tínhamos que fazer nossos próprios filmes de Salinger sem usar suas estórias.

Vanity Fair: Com cada uma das imagens que você tem feito, você se acha voltando para trás e olhando para certos livros  favoritos destes escritores?

Whit Stillman: Bem, isso me ajudou muito. Lembro que mergulhei em Austen quando escrevia o roteiro de Metropolitan. Eu estava lendo-a como uma espécie de tira gosto enquanto eu tentava escrever. Tenho tendência a gostar de autores onde você lê um paragrafo e você gosta tanto que fica pensando sobre ele – então eu não progrido muito em termos de virar a página no enredo.

Vanity Fair: Isso traz à tona uma pergunta. Você é um mestre em diálogos e não precisa de qualquer ajuda nesta área. Mas com Amor & Amizade, como não havia material de origem, você terminou tendendo aos diálogos Austeniano. Como foi essa experiência.

Whit Stillman: Sim. É muito rico em diálogos Austeniano. O problema foi que ela ainda estava escrevendo no modelo epistolar do século 18 – carta entre os personagens. E nós estávamos tentando colocar as cartas dentro dos cenários e diálogos. E isso é uma razão pela qual foi muito útil para mim que não tivesse qualquer acordo com esse projeto – foi apenas meu! Eu não contei a ninguém sobre isso e apenas trabalhei nele quando não tinha que trabalhar em outras coisas. Para torna-lo viável levou anos e anos.

Vanity Fair: Então, quando você começou a trabalhar nele?

Whit Stillman: Eu estava escrevendo para alguém sobre isso em 2004, mas eu acho que nossas conversas sobre o assunto deve ter sido bem antes. Então tem sido um longo tempo. Mas nunca foi algo do tipo: “Oh, eu estou tão frustrado. Eu não estou recebendo nada por isso.” Eu estava esperando ele ficar pronto.

Vanity Fair: Há alguma coisa dessa parte do período em todos os seus filmes, embora eles sejam ambientados no presente ou próximo ao presente. Como foi a experiência de saltar para 200 anos atrás em Amor & Amizade?

Whit Stillman: Foi muito libertador. Quero dizer, eu adoro esse período. E quase todas as minhas leituras, por prazer, são deste período. Parece realmente como “É divertido. Isso é realmente, realmente, realmente um bom período para ser trabalhado!”

Vanity Fair: O que atraiu você para Lady Susan?

Image1

http://www.imdb.com/

Whit Stillman: É realmente sobre um personagem extravagante e muito engraçado. E do tipo mau. Nós só tivemos diversão com o personagem. Jane Austen foi muito devota e religiosa enquanto seguia com sua vida. Então, quando ela estava guiando Orgulho e o Preconceito através do processo de publicação, ela achou que era muito leve, arejado e bobo. Ela queria escrever alguma coisa mais seria. Então ela escreveu Manfield Park. Desde modo seus personagens ficaram para mais tarde e explica por que ela não se apressou em publicar Lady Susan enquanto estava viva. É algo que ela tinha deixado em seu primeiro ou segundo rascunho. É muito engraçado, mas ela tinha feito mais para completá-lo. E é por isso que nós sentimos que estamos mudando as coisas, se nós ampliamos as coisas, se nós acrescentamos personagens necessários ao filme, nós fizemos parte do seu processo de finalizá-lo em vez de pegar uma de suas obras-primas e reduzi-lo a 90 minutos de filme. Quero dizer, estamos acrescentando mais um novo volume à biblioteca de Jane Austen.

Vanity Fair: Por que você acabou trocando o titulo por um trabalho anterior de Juvenilia: Amor & Amizade?

Whit Stillman: Ela não tinha colocado titulo nele. Eu vi o manuscrito. Está na Biblioteca Morgan. Seu sobrinho, quando ele publicou-o em 1871, colocou o titulo Lady Susan nele. Jane Austen fez várias substituições, enquanto alterava os títulos com os nomes de seus personagens para substantivos imponentes. Razão e Sensibilidade supostamente foi chamado de Elionor e Marianne. Por isso, tomei o titulo de um conto juvenil para dar a cara de Jane Austen.

Vanity Fair: Há algo de diferente em Lady Susan que a faz sobressair com relação aos mais familiares e amados romances de Jane Austen?

Whit Stillman: É muito diferente. Quero dizer, ela é realmente uma personagem engraçada, extravagante e manipuladora. É uma comedia. É como canalizá-la para Oscar Wilde ou Evelyn Waugh, mais do que as pessoas associariam com Razão e Sensibilidade, por exemplo.

Vanity Fair: É uma forma mais moderna de Austen?

Whit Stillman: Bem, eu sou uma espécie anti-moderno. Então, eu acho que é o que é. As pessoas eram muito engraçadas no passado, também. E é muito mais engraçado do que qualquer outra coisa escrita no século 18. Mas é uma grande comédia escrita no século 18. Mas isto – isto é particularmente uma boa comédia.

divider79

Fonte: Vanity Fair

Marcia Bock Belloube

Tradutora e revisora, apaixonada por livros, filmes e cultura britânica. Fã e leitora incondicional de Jane Austen e Chalortte Bronte, mas não recuso um bom livro de escritores contemporâneos.

  • Estou tremendo de ansiedade por esse filme! Será que há alguma chance de chegar aos cinemas daqui?

    Obrigada pela tradução!

    • Marcia Bock Belloube

      Também estou ansiosa. Vamos torcer para que sim…

  • Raquel

    Mais um filme do mundo de Austen o/
    Espero que seja mundo bom!!