11 fatos que você não sabia sobre a família Brontë

BronteSisters-large

The three Brontë sisters CREDIT: REX FEATURES

 

  1. Três homens diferentes pediram Charlotte Brontë em casamento.

Um pedido foi feito por carta e outro foi feito por um homem que ela só tinha encontrado uma vez. O escritor de cartas era o Reverendo Henry Nussey, irmão de sua amiga Ellen. Ele pediu Charlotte em casamento pouco antes de seu aniversário de 23 anos, mas ela recusou porque não o amava e se achava muito romântica para ser esposa de um clérigo. Acredita-se que personagem de St. John Rivers em Jane Eyre foi baseado em Nussey.

O Reverendo David Pryce, um pároco, foi tomar chá no verão de 1839 e pediu Charlotte em casamento depois de tê-la visto somente uma vez.  Arthur Bell Nicholls, o pároco de seu pai que foi apaixonado por ela durante anos, fez dois outros pedidos. A ciumenta oposição de seu pai ao casamento levou Charlotte, inicialmente, a rejeitar Nicholls. Ela aceitou seu segundo pedido, mas morreu antes de completar um ano de casada.

  1. Emily Brontë dizia às suas pupilas que ela preferia o cachorro da escola à elas

Emily disse uma vez às crianças que ela ensinava na escola Law Hill que ela preferia o cachorro da escola do que qualquer uma delas. Emily amava animais e tinha vários cachorros e um falcão chamado Nero. Na noite anterior à sua morte, Emily insistiu em dar comida aos cachorros da família igual sempre fizera.

  1. Charlotte Brontë morreu de enjoo matinal extremo

Charlotte pode ter morrido em 1855 da mesma condição – enjoo matinal extremo – da qual Kate Middleton sofreu durante as vezes em que esteve grávida. Charlotte tinha 38 anos quando morreu e estivera casada somente por 9 meses.

Há outras teorias. A certidão de óbito de Charlotte atesta que ela morreu de “tísica” ou tuberculose aguda, a mesma doença que matou suas irmãs Emily e Anne. Também é possível que ela tenha contraído uma infecção digestiva, como tifoide, de uma criada dos Brontë.

  1. Charlotte Brontë gastou seus primeiros ganhos com Jane Eyre com os dentes

Charlotte escreveu para a sua amiga Ellen Nussey em outubro de 1849, dois anos após publicar Jane Eyre, dizendo: “Acredito que realmente devo ver o sr. Atkinson, o dentista (em Leeds) e perguntá-lo se pode fazer algo por meus dentes”.

Seus dentes ruins eram uma das primeiras coisas que Elizabeth Gaskell observou em Charlotte. Em uma carta depois do dia que elas se conheceram, Gaskell fez uma descrição nada lisonjeira de sua amiga: “um rosto vermelho, boca grande e muitos dentes faltando; completamente simples”.

  1. Charlotte queria, na verdade, ser pintora

A primeira ambição de Charlotte era ser uma artista profissional e ela exibiu duas ilustrações em uma bela exibição no Leeds em 1834. Em 1848, a editora Smith, Elder & Co escreveu para Charlote para solicitar que ela mesma ilustrasse a segunda edição de Jane Eyre… mas ela, modestamente, declinou do pedido.

  1. As Brontës escreveram mais palavras quando eram crianças do que em todos os seus trabalhos publicados juntos quando adultas.

Depois que suas duas irmãs mais velhas faleceram, as crianças Brontë que sobreviveram, Charlotte, Branwell, Emily e Anne, criaram os mundos fictícios de Angria e Gondal, escrevendo histórias, artigos e poemas juntos.

A maioria de seus manuscritos juvenis foram escritos com uma caligrafia minúscula, que mal dá para ler. Um dos pequeninos livros de Charlotte tem mais de 60.000 palavras.

  1. Branwell Brontë foi mandado embora de seu trabalho nas estações de trem

Branwell Brontë trabalhou como vendedor de bilhetes na linha do Leeds para Machester quando ela abriu em 1840, mas foi despedido quando as contas não bateram. Sua demissão foi atribuída mais à incompetência do que à fraude – enquanto trabalhava na estação Luddenen Foot, perto de Hebden Bridge, ele era conhecido por frequentar a taverna de Lorde Nelson.

  1. Branwell teve um caso com a esposa de seu chefe

Em janeiro de 1843, Anne conseguiu o posto de tutor para Branwell com a família Robinson em Thorpe Green. Dois anos depois, ele foi demitido quando descobriram que ele estava tendo um caso com a sra. Robinson. Branwell ficou ainda mais dependente da bebida e do ópio. Após saber da morte do marido dela, ele tentou reconquistar a sra. Robinson e falhou.

  1. Anne pode ter sido gaga ou ter tido alguma dificuldade ao falar

Charlotte se preocupava que a “parte de se comunicar” seria difícil para Anne quando ela fosse embora de casa para trabalhar como governanta. Anne mesma disse a Ellen Nussey, uma grande amiga de Charlotte, em 1848: “Você deve saber que há uma lamentável deficiência no meu órgão de linguagem que me faz quase tão ruim na escrita quanto ao falar, a menos que eu tenha algo especial a dizer”. Essa deve ser uma das razões pelas quais ela é tida como a mais quieta Brontë.

  1. Uma efígie de Branwell foi queimada

Uma efígie de Branwell foi queimada durante as eleições de 1837 devido ao seu apoio ao candidato conservador. Enfurecido ao ouvir o político sendo vaiado pela multidão, Branwell interviu. A população local demonstrou seu descontentamento queimando uma efígie do próprio Branwell, que exibia uma batata em uma mão e um arenque na outra em alusão à descendência irlandesa dos Brontë.

  1. O pai dos Brontë era de uma família irlandesa mal-alfabetizada

Patrick Brontë nasceu em uma família quase analfabeta cujo sobrenome não tinha uma grafia fixa. Ele era o mais velho de 10 filhos, nascido em Emdale, County Down. Inicialmente, Patrick era aprendiz de ferreiro, mas sua aptidão por aprendizado o levou para a faculdade St. John de Cambridge. Foi lá que ele corrigiu a grafia de seu nome de Brunty para Brontë – talvez para esconder suas origens humildes.

divider79

Fonte: telegraph.com.uk

Enza G. Said

Capixaba, acadêmica de Direito, amo a cultura inglesa, mas sonho em morar no sul da França. Sou apaixonada por música clássica, chá, cheiro de chuva e filmes antigos; passo horas relendo trechos dos meus livros favoritos e toco piano nas horas vagas. Contato: enzasaid@gmail.com